Normas e diagnósticos

A psicologia e psiquiatria ocidental concentraram-se no conceito de “normal” — o que significa essencialmente “estar na média”. Este é um conceito útil no trabalho com muitos órgãos do corpo, mas devido à extrema individualidade dos padrões de funcionamento energético do cérebro humano, é difícil dizer exatamente o que é normal. Um poeta e um contador tem os mesmos padrões de funcionamento cerebral? Não é provável. Seus pontos fortes e fracos podem ser opostos. Qual é o normal? Mais importante, quantos de nós querem ser “normal” em tudo?

Esta abordagem de “patologia” para descrever o cérebro resultou em alguns resultados indesejáveis. Como o número de diagnósticos psiquiátricos quase triplicou, passando de 106 em 1952 para 297 em 1994, até mesmo os psiquiatras envolvidos no desenvolvimento do manual de diagnóstico admitem que levou para a “medicalização de 20-30 por cento da população que pode não ter tido quaisquer problemas mentais”. O Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos tem argumentado que o sistema de diagnósticos é anticientífico e subjetivo, baseando-se em sintomas superficiais e artificiais linhas divisórias entre distúrbios e “normalidade”.

Norms diagnoses Train your brainÉ improvável que alguém que é fisicamente fora de forma receba um diagnóstico médico. Mas um cérebro incapaz de sustentar níveis mais elevados de energia provavelmente vai ser diagnosticado com “transtorno de déficit de atenção”. Como a maioria dos diagnósticos de saúde mental em uso hoje, este é simplesmente uma descrição dos sintomas. O resultado desta “medicalização” é pior do que apenas uma porção de crianças e adultos com diagnósticos mentais. Uso de medicamentos antidepressivos quadruplicou em apenas 20 anos. Eles são agora o medicamento mais comumente usado entre os americanos de 18 a 44 anos de idade. Em 2003, havia 400 americanos diagnosticados com transtorno bipolar para cada um em 1994 — um aumento de 4.000% em 9 anos. 20% das crianças americanas tem agora diagnostico de algum transtorno psiquiátrico e está tomando medicamentos psicoativos.

Um número crescente de profissionais de saúde mental têm reconhecido que os pensamentos, sentimentos, ações e comportamentos estão relacionados com padrões do cérebro. Não precisamos do diagnóstico. Podemos simplesmente olhar para os sintomas, identificar os padrões cerebrais e começar a mudá-los.

Previa Home Page Proxima