Cérebro de Alta Performance

Subscribe Now! Don't Miss
our next post

Desvendando o Cérebro de Alta Performance

Olhando para uma direção diferente

Durante este mesmo período, começou a aparecer uma literatura de EEGq focando no assim-chamado cérebro de Alta Performance. Meditadores, monges, atletas de alto nível, pilotos top-gun e outros forneceram seus EEGqs. Enquanto os bancos de dados normativos produziam uma perspectiva retalhada do cérebro – um verdadeiro remendo composto por centenas de pequenos pedaços de informação – esta nova imagem cerebral que emergia era clara e direta, feita de planos e linhas simples. O cérebro mediano estava em todo o mapa; já o cérebro de alta performance apareceu de maneira notavelmente consistente e fácil de descrever.

Qualquer um que tenha estudado atletas de alto desempenho, músicos – mestres em qualquer campo – provavelmente notou que eles não fazem mais do que os seus colegas. Eles fazem menos. Seus cérebros também fazem menos. É uma evidência no treinamento que os cérebros mais eficazes produzem menos energia e são menos variáveis ​​de momento a momento. Parece contra intuitivo, mas é um simples fato da física.

O cérebro médio tem de 2-3% do peso corporal, mas utiliza cerca de 25% do oxigênio de todo o corpo. Porque os neurônios são as únicas células que não podem queimar gordura, o cérebro usa a metade da glicose do nosso sangue. Quanto mais energia o cérebro está utilizando, menos sobra para o resto do corpo. O cérebro tranquilo é simplesmente mais eficiente E mais eficaz.

A maioria dos cérebros é como um time de futebol de crianças de cinco anos. Onde quer que a bola esteja no campo, há 20 crianças naquele local. Elas gastam uma enorme quantidade de energia, produzindo muito pouco resultado. Mas assista a um time de futebol de nível mundial e você verá a maioria dos jogadores em marcha lenta na maior parte do tempo. Cada um se move, com base no que está acontecendo no campo, para sempre estar no lugar correto, até que o jogo chegue nele ou nela. Depois, há uma explosão de energia – um movimento rápido, com ou sem a bola, um passe rápido ou um chute – e em seguida, de volta para a marcha lenta.

Como é sentida a experiência de pico

O que vemos externamente é uma boa analogia sobre como os estados de pico são sentidos internamente também.

A maioria de nós que em algum momento tenha praticado um esporte ou tocado um instrumento – qualquer coisa que envolva performance – passou pela experiência de estar “no fluxo”. Nós a descrevemos da mesma forma: eu parei de pensar, eu parei de tentar. Minha mente estava quieta. Eu vi e ouvi tudo. Para alguns parece que entraram em câmera lenta. Podemos até saber o que outro jogador vai fazer antes mesmo que ele faça. Nós temos “mais sorte”, e o jogo muitas vezes “vem em nossa direção” naquilo que o zagueiro profissional de futebol americano, John Brodie, chamou de “fluxos de energia”.

Executar uma tarefa nesse estado de pico requer que você já a tenha dominado. Seu corpo já a praticou e a aperfeiçoou centenas ou milhares de vezes de modo que ela esteja registrada na memória muscular. Quando você tem essa capacidade desenvolvida, você pode executá-la em um estado de consciência pura, sem pensar, sem esforço, sem julgamento. Não há nada entre você e seus sentidos, nada entre você e seus músculos. Você se torna uno com o processo de execução. Sem pensar – sem se preocupar com o que poderia acontecer ou com o que deveria acontecer ou com o que aconteceu antes – você está puramente no momento e vai atuar em sua melhor performance. Você permanece relaxado, controlando apenas o que você pode controlar, aceitando o que você não pode. Para a maioria de nós, quando o momento já passou e olhamos para o que acabamos de fazer, parece que fizemos algo além do que somos capazes.

O mais surpreendente de tudo é que este é, de longe, o estado mais econômico do nosso cérebro – é, em essência, um estado de meditação. O cérebro está em estado inativo, esperando por algo que exija ação, pronto para se mover em qualquer direção quando a “luz ficar verde”, sem desperdiçar nenhuma energia.

A Teoria Unificada da Performance

Aqueles que estudaram artistas e cérebros de alta performance reconheceram que os melhores resultados em todos os campos, do atletismo às artes e até aos negócios, têm algumas coisas em comum:

1. Eles estão mais em contato com suas emoções, veem-se como uma parte de um todo interdependente, ao invés de indivíduos separados, capazes de se concentrar e pensar com clareza, de modo confiante e paciente.

2. Eles experimentam estados de pico com mais frequência e os sustentam por mais tempo, movendo-se além de si mesmos e operando com calma no meio de situações dinâmicas. Eles podem combinar consciência aberta com foco afiado – definição de um estado meditativo.

3. Eles realizam mais em qualquer que seja seu campo de trabalho do que seus pares.

Em termos de estados cerebrais, eles são capazes de entrar e manter estados de alfa sincronizado e atividade gama, relacionada com abertura e interconexão. Nesses estados, o córtex – a parte pensante do cérebro – está completamente em repouso. Canais de conscientização e de comunicação estão abertos e quietos, prontos para passar e integrar as informações instantaneamente. Áreas do cérebro podem de repente disparar em velocidades mais rápidas de beta para executar uma tarefa, enviar informações de forma eficiente para outras áreas e, em seguida, retornar à marcha lenta/repouso/estado observador, até que seja necessário ativá-las novamente.

Em suma, aqueles cujos cérebros funcionam melhor, em qualquer que seja o campo de trabalho, funcionam de modo parecido e eles são melhores do que o resto de nós em conservar energia até que o momento da ação chegue.

Share this post:

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedintumblrmail
Subscribe Now! Don't Miss
our next post

Leave a Reply

  • (will not be published)

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>